Pular para o menu
1366632663

Crise será discutida com Graça Foster

22 de abril de 2013 às 09:11

destaque

Foto: carlos costa

Postado em 13 de abril, produzida por Magnos Alves - Do Jornal De Fato

A crise da Petrobras no Rio Grande do Norte, especialmente em Mossoró, vai ser discutida com a presidente da estatal, Graça Foster, na próxima semana.

Durante audiência pública para discutir a redução de investimentos da Petrobras no RN, realizada nesta sexta-feira, 12, na Câmara Municipal de Mossoró, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB/RN), prometeu agendar audiência com Foster para a próxima quinta-feira, 18. “Vou solicitar o avião da FAB (Força Aérea Brasileira) para levar toda a bancada federal do estado para um encontro com a presidente na sede da Petrobras”, assegurou.

Henrique disse que já tinha conhecimento de que o pré-sal estava priorizando os investimentos da Petrobras. “Como relator do pré-sal, eu já sabia que isso estava acontecendo. Mas não pode ser assim, tudo para o pré-sal e nada para o restante”, criticou.

O deputado federal ressaltou que a Petrobras tem um compromisso social com o RN. “Aprendi com o ex-presidente Lula que a economia e o social devem caminhar juntos”, salientou.

A audiência pública, iniciativa do vereador Genivan Vale (PR), contou ainda com a participação de deputados federais e estaduais, vereadores, prefeita de Mossoró, Cláudia Regina, e prefeitos da região, governadora Rosalba Ciarlini, ministro da Previdência Social, Garibaldi Filho, representantes sindicais e da Petrobras, trabalhadores do setor de petróleo e gás e várias outras autoridades.

Demissões

O gerente geral da unidade RN/CE da Petrobras, Luiz Ferradans, justificou que as demissões recentes devem-se à quebra de contratos e a um momento de transição na empresa. “Duas empresas abandonaram os contratos e geraram mais de mil demissões”, reconheceu, acrescentando que a Petrobras está assinando em breve novos contratos para suprir os que foram quebrados por empresas de atuação das áreas de serviços e montagens.

Ferradans garantiu que a Petrobras mantém os investimentos no RN nos mesmos patamares nos últimos anos, mesmo mostrando uma planilha que apontava que os investimentos foram reduzidos em mais de R$ 200 milhões de 2012 (R$ 1,68 bilhão) para 2013 (R$ 1,31 bilhão).

O diretor do Sindicato dos Petroleiros do RN (SINDIPETRO), Dedé Araújo, informou que mais de 1.500 trabalhadores perderam os seus empregos em Mossoró de 2012 para 2013. “A Petrobras está tratando a produção em terra como uma coisa à parte e investindo tudo no pré-sal”, reclamou.

A audiência pública resultou em um documento que será entregue a Graça Foster.

Empresas vão construir torres para energia eólica

Diante da crise da Petrobras, Cláudia Regina informou que tem se reunido com a Redepetro para discutir alternativas para as empresas que atuam no setor de petróleo e gás. A prefeita disse que as empresas já estão se qualificando para atuar na construção de torres de energia eólica. “Sabemos da importância da Petrobras para o desenvolvimento econômico e social de Mossoró, mas não podemos ficar refém dele. Por isso, a busca por outras áreas de atuação”, ressaltou.

Cláudia defendeu que fosse escrita a “Carta de Mossoró”, com todos os anseios dos trabalhadores e da sociedade, para ser entregue a Graça Foster.

Rosalba lembrou que a Petrobras foi parceira de Mossoró durante suas gestões como prefeita da cidade, citando o Teatro Dix-huit Rosado como um dos frutos dessa parceria. “Eu tenho amor pela Petrobras, todos os brasileiros têm, e ela não pode nos abandonar neste que é o momento mais difícil do RN nos últimos 50 anos”, destacou a governadora, referindo-se aos estragos provocados pela seca.

Garibaldi, referindo-se a palavras do diretor da Petrobras, disse que o momento de transição da Petrobras está vitimando muitos trabalhadores. “A Petrobras precisa se explicar, pois há transições que demoram demais”, disse, ironicamente.

Tribuna do Norte

Compartilhar: