Pular para o menu
1534964563

FUP participa de audiência na Câmara sobre Resolução 23

22 de agosto de 2018 às 16:02

destaque

Foto: FUP

A FUP participa na próxima terça-feira (28) de audiência pública na Câmara dos Deputados Federais que irá debater os impactos da resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), que altera as regras dos programas de saúde geridos pelas empresas estatais federais. 

A audiência será realizada pela manhã, na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), a partir de proposta da deputada Federal Érika Kokay (PT/DF), autora do Projeto de Decreto Legislativo (PDC 956/2018), que visa a sustar os efeitos da resolução 23. Em enquete disponível no site da Câmara dos Deputados, o projeto já tem o apoio de cerca de 40 mil pessoas

Além dos petroleiros, a audiência contará com a participação do Banco do Brasil, CEF, BNDES, Correios, Furnas, entre outras empresas federais cujos planos e saúde são autogeridos.

Após a audiência na Câmara, os trabalhadores farão um ato público, a partir das 14h, em frente ao Ministério do Planejamento, na Esplanada dos Ministérios, repudiando os ataques da CGPAR.

Nota do Jurídico da FUP sobre a Resolução 23 e empregados da Petrobrás

Brigada petroleira volta a Brasília

A partir de segunda-feira (27), a FUP e seus sindicatos estarão de volta a Brasília para impedir que os senadores coloquem em votação o Projeto de Lei Complementar 78/2018, que permite que a Petrobrás abra mão de 70% dos 5 bilhões de barris de petróleo da Cessão Onerosa do Pré-Sal.

Em função da pressão feita pelos petroleiros o projeto foi retirado da pauta do Plenário do Senado nas últimas sessões, mas o governo Temer e as multinacionais de petróleo estão pressionando para que o PLC 78 seja colocado em Regime de Urgência.  

Por isso, a Brigada Petroleira continuará percorrendo os gabinetes dos senadores, para garantir que o projeto seja amplamente debatido nas comissões e não corra riscos de ser votado de forma atropelada, como aconteceu na Câmara dos Deputados. Saiba mais aqui

[FUP]

Compartilhar: