Pular para o menu
1474655503

Venda da NTS: Gestão Pedro Parente prossegue com desmonte acelerado da Petrobrás

23 de setembro de 2016 às 15:31

destaque

Foto: Arquivo

O Conselho de Administração da Petrobrás aprovou a venda de 90% das ações da malha de gasodutos Nova Transportadora do Sudeste (NTS) para a canadense Brookfield Infrastructure Partners (BIP) e suas afiliadas. A notícia foi publicada nesta sexta-feira, 23, no blog “Fatos e Dados”, e o valor total da transação, segundo a mesma fonte, é de US$ 5,19 bilhões.

Também chamado de “desinvestimento”, a venda da NTS faz parte da operação desmonte que vem sendo executada pelo atual presidente da Petrobrás, Pedro Parente. Na Companhia, o ex-chefe da Casa Civil do governo FHC, indicado pelo governo golpista de Michel Temer, tem a missão de desmantelar o caráter integrado do Sistema Petrobrás.

Não por acaso, o novo Plano de Negócios e Gestão – PNG 2017-2021, recentemente anunciado, fala em sair integralmente das áreas de produção de biocombustíveis, distribuição de GLP, produção de fertilizantes e das participações em petroquímica. Por outro lado, o mesmo Plano comemora a adesão de mais de 9 mil funcionários ao Plano de Desligamento Voluntário e a redução de 115 mil prestadores de serviço.

Com a desintegração do Sistema Petrobrás, os golpistas perseguem um duplo objetivo: abrir áreas de mercado para exploração pelo capital estrangeiro e fazer com que a empresa concentre atuação nas atividades de exploração e produção de óleo cru, acelerando a geração de lucros e dividendos para uma reduzidíssima parcela de acionistas, em detrimento dos interesses da sociedade.

Segundo “Fatos e Dados”, a venda da NTS “foi conduzida através de processo competitivo e o preço da transação foi avaliado por quatro instituições financeiras, através de três opiniões de valor justo (fairness opinion) e um relatório de avaliação (valuation report)”. A conclusão da transação está “sujeita à aprovação da Assembleia Geral da Petrobrás e a determinadas condições precedentes usuais, incluindo a aprovação pelos órgãos reguladores competentes”.

Compartilhar: