Pular para o menu
1307715062

Governo do Equador nacionaliza petrolífera estadunidense

10 de June de 2011 às 11:11

O presidente equatoriano, Rafael Correa, qualificou de histórica a nacionalização do campo de hidrocarburantes ‘Amistad’, depois de dura negociação com a companhia estadunidense Noble Energy que operava no Equador através de sua filial Energy Development Company (EDC).

O Estado equatoriano fechou por 74 milhões de dólares o acordo com a empresa estadunidense para sua saída do país, ao não se chegar a um acordo sob as condições estabelecidas pela nova lei de hidrocarburantes impulsionada pelo governo em finais de 2010.

A nova norma converte os contratos petrolíferos em contratos de prestação de serviço, e com o novo vínculo, o governo paga una tarifa fixa por cada barril extraído, considerando seus gastos de operação e uma margem razoável de lucros.

A empresa EDC se dedicava à exploração de gás no Golfo de Guayaquil, que servia para a geração de eletricidade de usina elétrica Machala Power, da qual era concessionária.

Agora ambas estarão sob o controle da Empresa Pública Petroequador e da Corporação Elétrica do Equador (Celec), e o pagamento se fez como reconhecimento aos trabalhos executados pela empresa depois da finalização do contrato em novembro passado.

Dos 74 milhões de dólares, 45 correspondem à plataforma de gás natural localizada a65 quilômetrosde Puerto Bolívar, e o restante à empresa energética Machala Power, que também passou às mãos do Estado equatoriano.

Essa soma será recuperada em 365 dias com a economia que gerará a não importação de diesel para a termoelétrica Machala Power que começará a operar com gás, segundo o anunciado por Correa.

"Aqui não estamos vivendo uma época de mudança, mas uma mudança de época, algumas vezes criando e outras recuperando o que sempre foi nosso", destacou o chefe de Estado.

"O gás no Golfo sempre foi nosso e devido a contratos mal desenhados e um mal entendido investimento estrangeiro, passou muito tempo em poder de uma empresa que não era equatoriana sem que tenha existido aumento da produção", enfatizou.

A falta de produção e seu não incremento, disse Correa, se deveu ao desenho "leonino" do contrato, ao estipular que se aumentasse o nível da produção tinha que aumentar a participação do Estado, pelo que a EDC manteve por uma década níveis baixos de produção.

Nacionalizando Machala Power agora poderemos, em curto prazo, incrementar a produção de gás, otimizar a geração utilizando esse combustível e criar excedentes para alimentar as indústrias, comentou Correa.


Fonte: Prensa Latina

Compartilhar: