Pular para o menu
1313426795
CONTRAMÃO

Movimentos Sociais fazem ato contra Plano de Banda Larga que privilegia Empresas

Segundo os movimentos, o acordo não prevê controle de tarifas e continuidade de universalização para o acesso à internet

15 de August de 2011 às 13:46

Banda larga é um direito seu! Por uma internet rápida e de qualidade para todos e todas”. Com este mote a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) promove, nesta segunda (15), às 19 horas, uma manifestação no Sindicato dos Engenheiros de São Paulo, contra o acordo fechado pelo Ministério das Comunicações com as empresas de telecomunicações.

De acordo com os movimentos, o acordo não prevê controle de tarifas e continuidade ou metas de universalização para o acesso à internet, portanto, vai na contramão da democratização dos serviços. De acordo com o jornalista Altamiro Borges, que é presidente do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé, foi muito positivo que o governo anterior, comandado pelo ex-presidente Lula, tenha tomado a  iniciativa de apresentar um Plano Nacional de Banda Larga, mas, no varejo, as negociações com as teles representaram um recuo nas discussões.

"A iniciativa do governo anterior de apresentar o PLNB mostra que o Estado tem que ter um papel fundamental na democratização da internet de alta velocidade. O plano é positivo. O que houve é que, nas negociações que foram feitas, no varejo, com as empresas - muito poderosas, multinacionais muito ricas - houve retrocesso", disse Altamiro Borges, em entrevista à Rede Brasil Atual.   

Segundo ele, a ideia do ato desta noite é criticar esses recuos. Segundo Alatmiro, o acordo com as teles viabilizará "expandir a internet, massificar, ao oferecer um mega a 30 reais, mas a internet que vai chegar à população é de baixa qualidade. Essa é a crítica".

"O plano permite enfrentar a exclução digital, mas mantém a segregação entre quem pode e quem não pode pagar por uma internet mais rápida, de maior qualidade", afirmou. Álém disso, de acordo coms os movimentos sociais, o acordo não prevê o controle estatal sobre a prestação do serviço.

 

Fonte: Portal Vermelho

Compartilhar: