Pular para o menu
1296045976

OIT diz que desemprego alto dificulta a recuperação das economias

26 de January de 2011 às 09:46

A vacilante e desigual elevação na oferta de empregos está dificultando a recuperação geral da economia e o desemprego deve continuar próximo a níveis recordes neste ano, de acordo com previsões feitas pela Organização Internacional do Trabalho nesta terça-feira (25) em Genebra.

A situação é particularmente cruel para os jovens e as estatísticas oficiais subestimam o verdadeiro número de desempregados, já que muita gente desiste de procurar trabalho, segundo a agência da ONU.

Fórum de Davos

A avaliação foi divulgada na véspera da reunião anual de líderes políticos e empresariais no Fórum Mundial Econômico, em Davos (Suíça), cuja pauta deverá ser parcialmente ocupada pela questão da disparidade entre os países.

Apresentando o relatório “Tendências do Emprego Global 2011″, o diretor-executivo da OIT, José Manuel Salazar-Xirinachs, disse que a recuperação do crescimento econômico perderá impulso neste ano. “Isso é parcialmente resultando dos efeitos deflacionários gerados pelo estado precário nos mercados de trabalho”, disse ele em entrevista coletiva.

Previsão

Em alguns países em desenvolvimento, como o Brasil, o desemprego já caiu abaixo dos níveis em que estavam antes da crise econômica global de 2008. Em muitas outras nações, no entanto, a tendência é de alta na desocupação.

A OIT prevê que o total de desempregados recue de 205 milhões em 2010 (6,2% da força global de trabalho) para 203,3 milhões (6,1%) neste ano.

27,6 milhões de novos desempregados

Entre 2007 e 2010, o mundo ganhou 27,6 milhões de desempregados, segundo a OIT. Salazar-Xirinachs disse que “2011 provavelmente será o terceiro ano consecutivo com o desemprego global acima de 200 milhões de pessoas.”

A ligeira redução no número de desempregados neste ano mascara o fato de que milhões de pessoas simplesmente desistiram de procurar emprego. A OIT estima, com base em dados de 56 países, que 1,7 milhão de jovens de 15 a 24 anos deixaram de entrar na força de trabalho, em relação ao que seria esperado com base nas tendências prévias à crise.

Juventude sem futuro

A OIT diz que o desemprego entre os jovens chega a 12,6%, enquanto para os adultos a taxa é de 4,8%. Em alguns países, o desemprego juvenil sobe a 30 ou 40%.

A entidade destaca também o fato de que países ricos respondem por 15,7% 27,6 milhões de desempregados agregados nos últimos anos, mas que nesses lugares existem mecanismos de proteção social em geral indisponíveis nas nações pobres.

Inerente ao capitalismo

Contraditoriamente, o desemprego, que é um fenômeno inerente ao modo capitalista de produção, cresce na crise e ao mesmo tempo a realimenta, transformando-se de efeito em causa da recessão econômica. O desemprego geralmente é subtraído do mercado de consumo, o que provoca uma redução da demanda, agravando a crise de superprodução.

Por esta razão, medidas efetivas de combate à crise econômica deviam contemplar investimentos massivos no combate ao desemprego, mas não foi isto que fizeram os governos, especialmente nas nações capitalistas mais desenvolvidas. Pressionados pelos banqueiros, estes preferiram canalizar as verbas públicas (trilhões de dólares e de euros) para o resgate do sistema financeiro. Deu no que estamos vendo nos Estados Unidos e na Europa: o desemprego continua alto, a demanda baixa e a economia anêmica.

Portal Vermelho

Compartilhar: