Pular para o menu
1320346965
CAMPANHA REIVINDICATÓRIA

Petroleiros do RN rejeitam proposta e reforçam aviso de greve

Se Petrobras não avançar nas propostas, paralisação começa dia 16. O prazo final para conclusão das negociações é 10/11

03 de November de 2011 às 16:02

destaque

Foto: Gilson Sá

Em Assembleias realizadas nesta quinta-feira, 03 de novembro, nas sedes administrativas de Natal e da Base-34, em Mossoró, bem como nos locais de embarque, os petroleiros do Rio Grande do Norte decidiram pela não aceitação da proposta apresentada pela Petrobras no último dia 31 e reafirmaram o indicativo de greve por tempo indeterminado a partir do dia 16 de novembro, com parada e controle da produção.

Para a categoria, as cláusulas apresentadas pela empresa são insuficientes e desconsideram importantes reivindicações dos trabalhadores. “Os petroleiros estão com disposição de luta. Se a Petrobras não avançar nas propostas, a categoria vai parar”, ressalta a diretora de Formação Política Social do Sindicato, Fátima Viana.

Além de rejeitarem a proposta da empresa, os petroleiros das bases remotas da UO-RNCE (Canto do Amaro, Alto do Rodrigues, Riacho da Forquilha e Fazenda Belém) paralisaram as atividades durante todo o dia. Além de tentar pressionar a empresa a avançar nas negociações, a paralisação, batizada de "Operação Gabrielli", em referência ao nome do presidente da empresa, marcou a luta da categoria pelo fim do regime administrativo no Campo e a adoção do regime de sobreaviso e/ou turno ininterrupto de revezamento.

Além do Rio Grande do Norte, os Estados do Ceará, Bahia, Espírito Santo, Sergipe/Alagoas, e os terminais da Petrobras no Rio de Janeiro e São Paulo, integram a campanha, que objetiva conciliar o ambiente de trabalho com a vida familiar e social dos trabalhadores, que acumulam uma jornada semanal de 54 horas.

Em estado de greve e em assembleias permanentes, a categoria petroleira segue na luta em todo o país por uma nova contraproposta que atenda suas reivindicações. No Rio Grande do Norte, em Minas Gerais e em Duque de Caxias, as assembleias já apontaram que este é o caminho.

Compartilhar: