Os trabalhadores e trabalhadoras da Allcontrol seguem firmes no segundo dia da paralisação das atividades no Rio Grande do Norte para garantir o pagamento dos salários atrasados de abril, hora extra e benefícios.

Nesta quarta, 12 de maio, às 9 horas, a categoria esteve reunida em assembleia virtual para definir os próximos passos do movimento paredista. Participaram da transmissão os trabalhadores da operação e do regime administrativo, além dos dirigentes do SINDIPETRO-RN, Ivis Corsino, Manoel Assunção, José Araújo(Dedé), Marcos Brasil, Rafael Matos e o assessor sindical, Aldeirton Pereira.

Durante a assembleia o diretor José Araújo fez um breve resumo sobre o descaso da Allcontrol com a força de trabalho no Rio Grande do Norte. “A empresa vem atrasando os salários dos trabalhadores desde março, agora em abril o pagamento não foi efetuado no quinto dia útil, o que culminou na paralização das atividades pela categoria”. Outros problemas também foram relatados sobre jornada de trabalho e não pagamento de hora extra.

Devido à situação delicada, o dirigente sindical reforçou a importância dos trabalhadores estarem unidos e sindicalizados para fortalecer a luta em defesa dos direitos trabalhistas. “Todo ser humano tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para proteção de seus interesses, conforme destaca a Organização das Nações Unidas, por isso devemos permanecer unidos”, disse Dedé.

Sobre a sindicalização, o coordenador geral do SINDIPRETRO-RN, Ivis Corsino, relatou sobre a resistência da empresa em acatar a iniciativa dos trabalhadores em ter o sindicato como representante legal.

“Seguindo o interesse da força de trabalho, o sindicato fez o comunicado a empresa sobre a representação, porém a terceirizada insiste em negar o pedido e deslegitimar o movimento, alegando que a entidade não faz parte da área de atuação. Uma clara tentativa de desencorajar os trabalhadores”, alerta o coordenador.

Ainda na assembleia foram tiradas dúvidas sobre a legitimidade da paralização e orientações caso a empresa venha pressionar os trabalhadores a voltar ao trabalho sem a quitação dos salários. “Todas as convocações efetuadas pela empresa para a retomada do trabalho devem ser comunicadas ao sindicato, ressaltamos que o retorno das atividades só vai acontecer depois da decisão conjunta em assembleia deliberativa”, informa Araújo.

Ivis Corsino também destacou que o sindicato já estuda acionar o Ministério Público do Trabalho para assegurar o pagamento dos salários atrasados e verbas rescisórias em caso de rompimento do contrato da Allcontrol com a Petrobras.

No final da transmissão foi deliberado por unanimidade pelos presentes a continuidade da paralização e a definição de assembleias virtuais diárias até que a empresa efetue os pagamentos.

O próximo encontro da categoria será na quinta-feira, 12, às 9 horas, pelo Google Meet. O link de acesso será disponibilizado no grupo dos trabalhadores no WhatsApp. Caso a empresa deposite o dinheiro nas contas dos trabalhadores, uma assembleia geral extraordinária presencial será convocada para votar pelo retorno das atividades.