Pular para o menu
1378496310
Em defesa da Soberania

SINDIPETRO-RN participa de protesto contra os leilões de petróleo

Manifestação realizada em São Paulo foi convocada pela FUP e Movimentos sociais

06 de September de 2013 às 16:38

destaque

Foto: SINDIPETRO-RN

O SINDIPETRO-RN esteve presente na manifestação realizada nesta quinta-feira, 05, em São Paulo, em protesto contra os leilões de petróleo. Organizado pela FUP, conjuntamente com diversas entidades dos movimentos sociais, o Ato Nacional em Defesa da Soberania e contra os Leilões de Petróleo ocupou parte da Avenida Paulista para criticar a entrega de Libra, o maior campo do Pré-sal, previsto para ser leiloado em 21 de outubro. Os cerca de três mil manifestantes também cobraram mudanças no atual modelo energético, a garantia dos direitos das populações atingidas por barragens e a reestatização do setor elétrico.

 

Veja, a seguir, matéria publicada no sítio da FUP...

 

Petroleiros e movimentos sociais ocupam Avenida Paulista nesta quinta contra a entrega do pré-sal

 

Militantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e movimentos sociais ocuparam na manhã desta quinta-feira, 05, parte da Avenida Paulista, em São Paulo em protesto contra os leilões de petróleo. O objetivo foi impedir a entrega de Libra, uma das principais áreas produtoras do pré-sal, prevista para ser leiloada em 21 de outubro pelo governo federal. Os manifestantes também cobraram mudanças no atual modelo energético, a garantia dos direitos dos atingidos por barragens e a reestatização do setor elétrico.

Caravanas com petroleiros de vários regiões do país, como Norte Fluminense, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, entre outros estados, fortaleceram o Ato Nacional em Defesa da Soberania e contra os Leilões de Petróleo, que contou com a participação de cerca de três mil manifestantes. O ato foi organizado conjuntamente com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que participam de um Encontro Nacional na Grande São Paulo, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o Levante Popular da Juventude e a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS).

Participaram também da manifestação militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), da Confederação Nacional do Ramo Químico (CNQ), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da União do Foro Latinoamericano e Caribenho dos Trabalhadores da Energia, além de entidades estudantis e de mulheres. Todos condenaram a entrega do petróleo brasileiro às multinacionais. 

A concentração começou às 8 horas na Praça Oswaldo Cruz, no Paraíso, de onde os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Paulista até o edifício sede da Petrobrás, onde realizaram um ato político. A manifestação terminou por volta das 13h30, em frente ao escritório da Secretaria Geral da Presidência da República, onde os movimentos sociais protocolaram uma carta para a presidenta Dilma Rousseff, cobrando a suspensão dos leilões de petróleo.

Carta cobra de Dilma suspensão dos leilões

Na carta endereçada à Presidenta Dilma Rousseff, a FUP e os movimentos sociais  exigem a suspensão dos leilões de petróleo e se manifestam contrários à privatização das hidrelétricas de energia. O documento, que também cobra uma política de proteção e garantia dos direitos das populações atingidas por barragens, foi protocolado na Secretaria Geral da Presidência da República. Assinam a carta a Plataforma Operária e Camponesa para a Energia, a Via Campesina, a FUP, o MST, o Levante Popular da Juventude, a Central dos Movimentos Populares, o MAB, a CUT, a CGTB e a CTB. 

 

LEILÃO DE LIBRA: UM CRIME CONTRA O DESENVOLVIMENTO, A SOBERANIA NACIONAL E AS CONDIÇÕES DE TRABALHO

Suspensos desde 2008, os leilões de petróleo foram retomados em maio deste ano, representando risco não só à soberania do país, mas aumentando a precarização do trabalho no setor petróleo. Como se não bastasse os muitos anos de exploração das nossas riquezas, feitas pelas empresas multinacionais, o governo brasileiro pretende leiloar em 21 de outubro, a maior área produtora do pré-sal: o gigante campo de Libra, que, sozinho, pode fazer jorrar até 12 bilhões de barris de petróleo, ou seja, desrespeitando os direitos dos trabalhadores e os interesses do país.

Ao permitir que as multinacionais se apropriem do petróleo brasileiro, o governo coloca em risco não só a soberania, como o desenvolvimento do Brasil. Essas empresas, além de exportar tudo o que produzem, não geram empregos aqui, nem movimentam a indústria nacional, como faz a Petrobrás.Segundo o Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), dos 62 navios feitos pela indústria de petróleo, 59 são da Petrobrás e três da PDVSA (estatal venezuelana). Ou seja, nenhuma petrolífera privada encomendou navios no Brasil.

Além disso, a privatização do petróleo é quase um sinônimo para a terceirização do trabalho, já que empresas como Statoil, Shell, OGX, Chevron, entre tantas outras que abocanharam jazidas de petróleo ao longo dos 11 leilões realizados desde o governo FHC, quando foiquebrado o monopólio estatal da Petrobrás, não contratam trabalhadores próprios e, ainda praticam absurdos, como a falta de treinamento necessário para que estes trabalhadores exerçam suas atividades nas plataformas e, em outras unidades operacionais, de forma digna e segura.

Como se não bastasse, essas empresas também exigem uma jornada maior do que as praticadas pela Petrobrás, não realizam negociações coletivas e, quando fazem, são sempre através da intervenção sindicatos cartoriais criados pelos patrões.

Em outras palavras, os leilões de petróleo estão rebaixando as condições de trabalho no Brasil. Na OGX, por exemplo, dos 6.500 trabalhadores contratados, 6.200 são terceirizados. Os 300 que são próprios só atuam praticamente em áreas administrativas.

Barrar os leilões de petróleo é uma luta que tem unificado as organizações sindicais e os movimentos sociais, especialmente os Trabalhadores Sem Terra (MST) e os Atingidos por Barragens (MAB), que, junto com os petroleiros da FUP, os eletricitários e engenheiros, integram a Plataforma Operária e Camponesa para a Energia. Na pauta das paralisações conjuntas das centrais sindicais realizadas nos dias 11 de julho e na sexta-feira passada, 30 de agosto, a suspensão dos leilões de petróleo foi um dos destaques.

Portanto, a luta contra o próximo crime lesa-pátria, que pode ser o leilão do campo de Libra, significa não só a defesa das nossas riquezas, mas também uma luta contra a terceirização exacerbada, o rebaixamento da categoria, e pelo direito dos petroleiros às condições dignas e seguras em seus ambientes de trabalho.

Compartilhar: